31 julho 2007

Férias

Desde as 22h 30m de sexta feira passada, estou oficialmente de férias. Eu e o papá e os meninos. Bem... para o papá hoje e amanhã ainda há trabalho... Os contratempos de ultima hora... Para os meus meninos estas são as "primeiras" férias, pois este que passou, foi o seu primeiro "ano escolar".

Hoje lembrei-me muito das minhas férias esolares, e tive saudades daqueles tempos... Desde os meus 2 anos de idade sempre fui com os meus pais para o Algarve. Eram as férias no lugar de sempre, com as pessoas de sempre ,que ficavam marcadas de um ano para o outro. Ficávamos sempre numa pensão, bem no centro de Albufeira, a cerca de 100 metros da Praia do Peneco. Ainda me lembro de que muitas vezes eu ficava a dormir a sesta e quando acordava ia ter com os meus pais e com a minha irmã à praia. Era só atravessar o túnel... Nessa altura, ainda se podia fazer isso. Albufeira não passava de uma aldeia piscatória com uma praia excelente.

Depois passámos a ir para casa de amigos onde passei sem dúvida todas as melhores férias da minha vida. Nesta altura ia sozinha, mal acabava a escola, metia-me no autocarro e levava 12 horas até chegar a Albufeira... Lá tinha à espera grandes amigos e grandes aventuras... Eram as férias inteiras... Verão e Páscoa, lá estava eu a marcar presença, e a matar saudades do ano anterior. Os meus pais iam lá, e lá ficavam mais ou menos duas semanas. Depois regressavam e a maior parte das vezes eu ficava...

Houve um ano que foi sem dúvida o que mais me marcou... Foi em 1988. Eu tinha apenas 13 anos e o que me diverti nesse ano foi de tal forma que ainda hoje me lembro de todos os detalhes com imensa saudade. Foi o ano que passei a frequentar as discotecas com os meus pais. Foram eles que me levaram à discoteca a primeira vez e me mostraram o bom, e o que podia ser mau. Lembro-me também que nesse ano, estava muita gente nova em casa desses amigos (eles tinham 6 filhos) e como não havia mais carros para sair à noite, e o meu pai não podia emprestar o dele (o carro não tinha seguro, era ele que tinha a carta de condução no seguro, o que lhe permitia conduzir qualquer carro, derivado da sua profissão), então os meus pais acompanhavam todas as saídas nocturnas. Chegávamos a ser 9 e 10 pessoas dentro do carro, mas ninguém ficava sem se divertir. Depois quando saíamos da discoteca, íamos comer hamburgueres caseiros a um restaurante que havia onde hoje é a Marina de Albufeira... Como tudo mudou! Acho que este ano sem dúvida ficou marcado nas nossas vidas. Na minha, na da minha irmã, Lurdinhas, Paulo, Manela, Miguel...

E depois havia as brincadeiras na praia. Acho que nunca mais nadei até às bóias como nós nadávamos. E lembro-me quando a Lu perdeu o fato de banho, quando fomos ao largo tirar a areia que tinhamos dentro deles, depois de horas a rebolar nas ondas. E lembro-me também uma vez em Julho, por altura das marés vivas, que os rapazes tiveram que fazer um cordão humano, para que eu, a Lu e a Ana pudéssemos sair do mar, pois estávamos tão cansadas de rir e nadar, que já não tínhamos força para passar a zona de rebentação!

Depois era o convívio à mesa... Os churrascos, as sardinhadas, as idas ao frango da Guia, à sardinha de Portimão... Sempre uma casa cheia de gente, alegria, conversas, brincadeiras...

Sei perfeitamente que esses tempos já lá vão, que foram vividos na altura certa, da maneira certa, e só espero que um dia os meus filhos, possam ter as suas férias perfeitas, durante muitos anos, e que as possam recordar com o mesmo carinho e a mesma saudade que eu recordo as minhas.

27 julho 2007

A última aquisição



O título chamou-me a atenção, a autora ainda mais,e depois de o abrir, nada mais me faria mudar de ideias de o comprar. Depois foi a satisfação da escolha acertada, pois as histórias são mesmo engraçadas. Ok, é um livro recomendado para o 2º ano de escolaridade destinado a leitura orientada na sala de aula - Grau de Dificuldade III, em que a autora, através de 15 contos infantis, explica algumas regras gramaticais às crianças, mas a Maria (que só tem 3 anos e meio...) achou-lhes tanta graça...
E as folhas, cheiram mesmo a chocolate!

26 julho 2007

Apanhada(o)! Parte 4

Estava eu a começar a escrever a carta de reclamação, quanto à autoria da Contra-Ordenação de que fui alvo, quando consulto o papelinho fornecido pelo Segurança da DGV, onde consta a quem dirigir a mesma. Reparo que deveria endereçar a carta ao "Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária", e surge-me a seguinte dúvida:
-Quem será o tal Presidente? Como se chama o senhor?

Faço uma pesquisa através do Google, consulto várias páginas e... nada! Resolvo ligar para a DGV, para que me fornecessem então tal identificação, e a resposta que obtenho é a seguinte:
-Eu não sei, que sou só a telefonista, mas só um bocadinho que vou perguntar à colega pois o atendimento telefónico é só das 9 da manhã ao meio dia e meio.... Olhe, o Senhor chama-se Crisóstomo Teixeira, mas a colega diz que é melhor não mencionar o nome do senhor na carta. Ponha só Senhor Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária.

Parva foi como fiquei com uma resposta destas... Alguém me explica esta lógica de pensamento????

25 julho 2007

Apanhada! Parte 3 - A saga continua

E temos novela...

Na DGV:
-"Vinha desfazer um equívoco. Recebi esta multa...blá, blá bla´...beca, beca..."
-"Ah pois, mas aqui não lhe posso resolver nada... Tem que pedir ao segurança, um papelinho com uma morada para a qual o seu marido terá que escrever, identificando-a a si como a condutora e não ele."

Será que aquela alminha de agente de autoridade que me atendeu no posto da GNR, não me poderia ter dado esta informação? Tive que me deslocar a Aveiro para não resolver nada?

Esta multa está-me mesmo entalada na garganta! Já agora, alguém sabe alguma coisa acerca de que os sinais de trânsito terem que estar identificados com um carimbo ou nº de série da Câmara Municipal, caso contrário estão ilegais? Agradeço ajuda neste campo, pois este mês tenho que comprar a Prevenar para o João Henrique e custa muito pagar esta multa, sabendo que preciso do dinheiro para a vacina,à qual o estado não dá nem um cêntimo de comparticipação... Como gostava de viver num país mais justo...

23 julho 2007

Apanhada(o)! Parte 2

Pois e bem, eu lá fui, de forma obediente, identificar-me ao posto da GNR, assumindo a minha responsabilidade (parcial, mas fui...), e hoje quando chego a casa para almoçar... Uma bela surpresa. Uma carta da GNR, registada e em nome do meu querido marido... Parece que a notificação para me identificar andou algum tempo perdida nos correios, e o sr. soldado que me "autuou" queria ir de férias e toca a passar a respectiva multa ao proprietário da viatura. Lá tive que ir eu ao posto novamente, para desfazer o equívoco, pois o cadastro do Ivo já está um pouco sobrecarregado (especialmente com excessos de velocidade), e onde me é dito assim, sem mais nem menos:
-Ó minha senhora, sabe que o colega foi de férias e... quis despachar a coisa!
-Então e quando regressa o colega?
-Ai isso já não lhe sei dizer... A senhora agora tem é que ir à DGV e dizer que era a senhora a condutora e não o seu marido...

Ou seja... lá tenho eu que ir para Aveiro, mais a multa de 99,76€... Tá-me mesmo a ficar cara a brincadeira. Ainda por cima num cruzamento com visibilidade do melhor, onde um sinal de Cedência de Prioridade era mais do que suficiente. Já estou mesmo a ficar irritada com esta brincadeira. É que além do dinheiro que me vão levar, o tempo que já perdi... Haja paciência!!

19 julho 2007

Apanhada!

Caraças para as distrações. Para me livrar de uma multa, meti-me noutra... Eu sei que não devemos e ligo sempre o auricular do telemóvel, mas um belo dia, durante uma deslocação de 3 minutos, toca o telemóvel. Olho para o numero:
-É da empresa, é melhor atender, também vou parar já ali à frente.

Quando olho para a frente vejo 3 agentes da GNR, num cruzamento. Atrapalho-me toda, atiro com o telemóvel para o banco do passageiro, e tento por na cara a expressão mais natural do mundo e passar por eles o mais rápido possível. Resultado: não me viram a falar ao telemóvel, nem me mandaram parar. Eu é que me esqueci de parar no STOP do dito cruzamento onde estavam os 3 agentes da GNR. Hoje lá fui eu ao posto identificar-me pois recebi a notificação esta semana. A ver vamos no que isto vai dar, mas a coima é pesada!

Fim de semana II

A semana tem sido uma confusão sem tempo para nada, mas não queria deixar de completar o fim de semana passado. Isto apenas para registar que, a cumplicidade da Maria com a minha mãe é cada vez maior. Após umas férias por Espanha e Itália, veio passar o fim de semana connosco. Trouxe-lhe um fato de Sevilhana completo, com direito a leque, castanholas,sapatos, e tudo que a deixaram verdadeiramente maravilhada:
-"Olha mamã... Até tem salto..."
Durante todo o tempo que estivémos em casa lá ia ela vestir o vestido e calçar os sapatos... Na segunda feira de manhã, foi muito complicado explicar-lhe que não podia usar aqueles sapatos para ir para a escola.

No sábado de manhã antes mesmo de a minha mãe chegar, ao acordar disse-me:
-"Logo à noite quero dormir na cama da Mimi!"

Enquanto esperavam pelo jantar, só se ouviam as suas gargalhadas enquanto jogavam à apanhada, às escondidas e à mamã dá licença!

Gosto muito que a minha filha sinta tanto carinho pela avó, apesar de estar com ela apenas alguns fins de semana. Por isso, mais uma vez a "Mimi" vem passar as férias connosco, agora em Agosto.

17 julho 2007

Durante o fim de semana

As ultimas da Maria:

-"Não João, não mexas nisso que é coisa de muita responsamilidade!!"

Na casa de banho em cima da balança:
-"Deixa cá ver quantos kilómetros já tenho!"

Depois do pai ter ido apenas virar o carro:
-"Então? Ias-te embora sem nosco?"

13 julho 2007

Banho Lunar

Ontem depois de jantar fomos à nossa casa nova, desligar a água que estava ligada para regar a relva. Teimosa como sempre decidiu que o pai tinha que lhe ligar a água de uma mangueira para ela também regar.
Resultado: às tantas falhou-lhe a mãozita, a mangueira fugiu, virou-se para cima dela e ficou toda encharcada.
-"Mamã, olha, estou toda molhadinha!"

Preferencias

No fim de jantar:
-"Papá, papá, queo i fazê xi-xi!"
-"Estou a terminar de comer. Pede à mamã para ir acender a luz que ela já terminou de comer."
-"Ah... Pode se, eu também gosto dela!"

12 julho 2007

Olha, vai ter com a tua mãe!

Foi o que me disse ontem, depois de lhe limpar as mãos e as unhas, que estavam em mísero estado, depois de ter andado a brincar e a fazer "bolos" no pinhal da escola. Fartou-se de reclamar durante a operação limpeza, na qual utilizei uma lima para lhe limpar a terra que não lhe saíu à volta das unhas, mesmo depois de ter estado quase 10 minutos com as mãos de molho.

Como reclamou tanto, enquanto ela limpava as mãos à toalha, comecei eu a limpar as minhas unhas, para lhe mostrar que eu também as limpava e não gritava como ela, pois não doía nada, quando ela se sai com esta:

-"Olha, vai te com a tua mãe que ela tata-te disso!"

Zangados e apertados...

Tenho reparado nesta semana que passou que as calças da Maria andam cada vez mais zangadas com os sapatos! Cada vez andam mais afastadas e menos cumplices. Devem ser as meias que se andam a meter na sua relação...;)
Não sei se é do calor do Verão, mas a criança deu nos ultimos tempos uma puladita valente e até os sapatitos deixam de lhe servir mais rapidamente. Ainda ontem, depois de calçar uns sapatos que ainda os tinha calçado perfeitamente a semana passada disse-me:
-"Ó mamã, eu não sei o que se está aqui a passae, mas os meus pés tão um bocadito apetaditos"
Claro que quando fui ver melhor, a unica solução foi tirar-lhos dos pés e escolher novo calçado.
Para a próxima semana têm consulta de rotina no pediatra e, vamos lá a ver as novas medidas da cachopa!

O João Henrique

Tão diferente da Maria... Tenho escrito mais acerca da Maria, pela simples razão de que ela interage muito mais connosco que o João que, continua preguiçoso e teima em não dizer mais nada que: ""nããão", "óuá", "papá" e "mãã". No entanto entende tudo, tudo e responde sempre com um valente e bem denunciado aceno de cabeça. Para a frente e para trás quando sim e, para os lados quando não (se bem que ultimamente quando é não, já manda um valente "Nããão"). Adora jogar com a bola e chuta sempre sempre com o pé esquerdo. Quando não há bola, e porque o avô passa a vida a ver a sporttv, põe-se em frente à televisão, a ver os jogos e fica a jogar sozinho e aos chutos para o ar. Quando o jogo é interrompido por algum motivo põe-se de cócoras à espera que recomece. Esta palhaçada toda no meio de muita risota claro está!!
Não gosta que se metam com ele, principalmente quando está ao nosso colo, se bem que depois das pessoas se afastarem, ele fique a olhar de lado, a sorrir, para provocar e voltem lá para lhe fazer uma brincadeira. É o nosso macaquito. Primeiro porque é muito malandrote e depois porque tenta imitar a irmã, em todas as palhaçadas que ela faz e quando ela começa a cantar.
Adora musica e bate sempre palmas e faz "ÉEHHH", no fim de cada musica (incluindo as musicas da igreja, durante a missa!)
A educadora diz que ele é muito "mula" e que ainda lhe vai dar muito que fazer: a ela e a mim, mas que é destes que ela gosta...Dos que dão luta! Aqui não sei se fique contente se fique preocupada... A Maria sempre foi mais calma e, mais fácil de dar a volta. Ele cisma, finca pé, faz birra e grita, quando o contrariamos. É um doce!!!

11 julho 2007

Ainda as Picadas

Não sei mais o que fazer, nem consigo descobrir o que anda a picar tanto a Maria. As marcas são cada vez mais, e ontem tenho a certeza que foi no infantário, pois de manhã durante a operação Fenistil até quase que fiz um mapa mental, da posição de cada picada. À noite, depois de lhe dar banho, lá estavam mais umas quantas nas mãos, barriga e axilas. A minha sogra viu na televisão a notícia de um mosquito que anda p'rái a fazer estragos. E pelas imagens que viu disse que se assemelhavam em tudo às picadas da Maria. Será? Hoje assim que a despir para o banho, quero ver se temos novas pintas.
A verdade é que lá no infantário só ela e a educadora é que apresentam semelhantes pintas. Será que só elas são alérgicas ao dito mosquito?
A ver vamos...

09 julho 2007

Sem conseguir ainda perceber como, a Maria cada vez tem mais picadas. Desta vez foi na zona do rabito e ainda mais na barriguita. Por duas vezes que lhe troco os lençois, mas ontem ficou a cama toda desmontada de manhã à noite depois de "borrifada" com mata-moscas, melgas e mosquitos. Parece que funcionou, pois hoje de manhã, não lhe descortinei nova pinta. Vamos lá a ver se é desta que os bichinhos largam a minha menina. Haja Fenistil...

No sábado foram ao corte. Levei-os à cabeleireira, para que ficassem mais fresquinhos. A Maria portou-se como uma autêntica senhora. Muito quietinha, sempre muito bem disposta, e obedecia a todas as indicações que a cabeleireira lhe dava. O Ique também se portou muito bem, apenas começou a ficar impaciente quando lhe estavam a cortar a franjita, mas de resto, foi um senhor!!!
(não sei o que se passa com isto hoje, mas não consegui por título. Em todo o caso é "Picada II")

06 julho 2007

Picada

A Maria anda toda picada das melgas. Nas pernas, na barriga, parece um Cristo... Tadinha da minha menina. Depois tem montes de comichão e coça-se todinha e quanto mais coça, mais comichão tem. Só tenho medo que ela se arranhe toda, por isso, ontem depois do banho, para que não fizessem estragos lá lhe cortei as unhas rentinhas. Depois foi besuntá-la de Fenistil para ver se aquilo acalma...
Hoje tenho aulas das 18 às 22h30. Lá vão eles ficar mais uma vez com os avós e com o pai. E mais uma vez, quando eu chegar a Maria vai estar à minha espera e o João já a dormir profundamente. Será que hoje vai ser diferente?

05 julho 2007

As festas...

Na semana passada realizaram-se as festas de fim de ano no infantário dos meus meninos. Na quarta feira fez-se a reconstituição de uma feira antiga que se realizava todos os dias 24 de cada mês, onde se vendia de tudo um pouco. Então os meninos vestiram-se a rigor para recriar o ambiente que era vivido na época. Ficaram todos muito engraçados, como podem comprovar pelas fotos. Houve também as marchas realizadas pelos idosos do lar com alguns meninos da escolinha. Acho o máximo esta ligação e estas actividades da creche com o lar. Penso que á muito bom para ambas as partes; idosos e crianças. O meu pequeno João não aparece pois ainda é muito pequenino para tais fantasias e os meninos da salinha dele participaram, brincando descontraidamente na caixa de areia do pinhal da escola. A Maria, essa brilhou com uma roupa que foi minha, e que foi feita pela minha mãe, quando eu tinha 4 anos, e que serviu de disfarçe de Capuchinho Vermelho em alguns Carnavais.

Na sexta feira, foi a festa de encerramento do ano, onde as mães jogaram futebol e os pais, o jogo do lenço. Foi muito engraçado. Eu, apesar de não perceber nada lá fui jogar um bocadito de futebol, pois o importante é participar nestas coisas, mas confesso que fui muito preguiçosa e não corri quase nada. Também não adiantava muito, pois a partir da altura em que vi 5 mães engalfinhadas a lutar pela posse da bola, sendo elas todas da mesma equipa, não consegui fazer mais nada senão rir-me à gargalhada.
O papá assistiu ao jogo de futebol, mas teve que voltar ao trabalho pois mais uma vez... ensaio de ferramentas, e infelizmente não pode participar no jogo do lenço, que foi muito divertido, especialmente quando a educaora que tinha o lenço gritava "FOGO" e tinha que fugir senão era completamente albarroada por todos os pais que acorriam ao chamamento ao mesmo tempo. Desta festa, não há fotos...para publicar, pois acho que não fico lá grande coisa como jogadora de futebol ;)


02 julho 2007

Ontem fomos ao Circo

É uma aldeia pequena mas de vez em quando recebe a visita de um ou outro circo... Bem o que fomos ver ontem era mais um... cirquinho... Mas com gente muito simpática e muito polivalentes. A ver se me recordo de tudo...

Tinha a menina que vendia bandeirinhas e bonecos antes da função, vendia pipocas e algodão doce no intervalo, e durante o espectáculo foi malabarista, equilibrista de facas e espadas e, ginasta no trapézio (e ficava suspensa apenas pelos cabelos! ui, credo!).

Depois tinha outra menina que foi ginasta contorcionista, e partenaire do mágico.

Um rapaz que era assistente de todos os numeros, ginasta no trapézio (o que segurava nos cabelos da outra...), e palhaço.

Uma senhora que fazia um numero com cães e pombas amestradas, outro com uma cabra e um cão que saltavam obstáculos e no fim também participava no numero dos palhaços.

Estes eram os mais polivalentes que me recordo. Depois vimos ainda numeros com poneis, cobras, um bisonte americano cujo domador não tinha mais de 11 anos e uns meninos pequeninos vestidos de palhacinhos. Nesta parte não me senti muito bem, pois como fomos à matiné, coincidiu com o horário do lanche do João. E como sempre lá fui eu armada com a geleirinha dos iogurtes e bolachas (que andar com termos e papas atrás dá muito trabalho). Como estava pouca gente a assistir, insistiram para que nos sentássemos nas cadeiras, logo à frente. Pois estava então eu a dar o dito iogurte ao João Henrique quando surgem os palhacinhos. O mais pequenino não tinha mais de 4 anos, e ficou especado à minha frente a olhar para mim, para o João e para o iogurte que eu tinha na mão... Sem saber o que fazer acenei-lhe, ofereci iogurte e ele saíu da pista sempre a olhar para nós... Deu-me vontade de o agarrar e dar-lhe o outro iogurte que tinha na lancheira (ando sempre com um a mais... ou dois... ou três...)

Quanto aos meninos; o João mais uma vez surpreendeu-me e esteve atentíssimo do princípio ao fim e de vez em quando saltava mesmo lá para a frente a abanar a bandeirinha e a dançar. A Maria penso que ia mais espectante e a determinada altura já pedia para vir embora pois "já não estou a achar piada nenhuma a isto". A Mafalda, minha sobrinha emprestada, gostou e fartou-se de comer algodão doce.

Não quero deixar de registar, que saímos de um piquenique à beira do Rio Vouga, para ir assistir ao espectáculo. Como se pode imaginar, tanto os meninos como nós estávamos um pouco...sujos, de terra, areia... Mas ainda bem, pois as cadeiras do circo ainda conseguiam estar mais sujas que nós. Foi então bonito de ver as pessoas todas incomodadas a sentar-se e a limpar as cadeiras com os lencitos de papel e nós... sem problema nenhum, pois pior do que já estávamos era quase impossivel. Depois da função, voltámos para o mesmo piquenique, os meninos sujaram-se ainda mais, e ao chegar a casa, foi tudo directo para a banheira. Miúdos e graúdos.

Ao meu amor...

Amigo, companheiro, confidente, conselheiro, paciente. Porque estás sempre lá. Para mim, para os meninos... Pela tua solidariedade. Sei que sabes que o dinheiro que te pediram ontem à entrada do Feira Nova, não seria concerteza para comprar uma lata de leite para o bebé, mas só o facto de pensares que poderia haver uma criança com fome, sei que não te fez hesitar um momento. E é por isso que te amo. Sempre e cada vez mais.
A vida nem sempre é fácil, nem sempre corre bem, mas apesar de tudo, de todos os problemas, de todas as contrariedades, teimas em continuar a remar contra tudo, para levares o teu barco avante. E nós lá vamos também nesse teu barco, a pesar nos teus ombros. E contornas todas as situações como se de uma pena se tratasse...
Obrigada por seres assim, por seres a pessoa tão maravilhosa que és, e por seres o pai extraordinário que sempre sonhei para os meus filhos.
Tenho, e sei que os nossos filhos também têm muito orgulho em ti.
Muito obrigada pelo meu aniversário. Pelo dia, pelas surpresas e, pela companhia, para mim tão importante. Cada dia que passa sinto-me uma pessoa mais rica, por estar ao teu lado. Amo-te.

Fizémos a Arvore!!

Na sexta feira também foi feriado aqui em Marrocos! Aqui comemorou-se o aniversário do nascimento do Profeta Mohammed, e graças a isso pud...