25 junho 2008

Dejá vu...

Sábado depois do almoço. Uma cadeira na entrada da cozinha da avó, e ela em cima, a fazer o seu espectáculo. "Senhoras e senhores, meninos e meninas, e claro, crianças! Com todos vós, a artista Ana Filipa (nome saido direitinho da cabeça dela) tem o prazer de apresentar o melhor espectáculo do mundo!"

E começa a cantilena... Sabe um montão delas de cor, e a cada uma associa uma coreografia. Meio moderna, meio clássica (influências das aulas de ballet? É para isto que o nosso dinheiro há-de servir?) ela lá vai conciliando as duas coisa, a canção e a dança do princípio ao fim. E nós... Os espectadores ali ficamos. Deliciados, babados, contentes e pró final entediados que a artista nunca mais se cala, e nós gostávamos mesmo era de ir para a praia. No final é este mesmo argumento o vencedor para que ela por fim termine a sua actuação, não sem antes ficar a promessa de que brevemente novos espectáculos virão, bem como o anuncio dos locais onde esses espectácuos irão decorrer. Nada é deixado ao acaso, e todas as informações são importantes...

E sentada naquele murinho, olho para ela e vejo-me ali, revejo-me nela, quando também tinha 4 anos. As cantigas, as anedotas, os fados, e as histórias que eu contava, também em cima de uma cadeira, tendo como microfone uma tampa de uma garrafa de cristal . Tal como ela também lá tinha a minha assistência. O meu pai, a minha mãe, a minha irmã, e nos dias de festa, tipo Natal, Páscoa, aniversários e afins, tinha também os avós, os tios e os primos que achavam muita piada à pequenita. E eu era feliz, ali com o meu público. Tal como a vejo a ela, ali com a sua audiência. É por me lembrar, por sentir esta alegria que paro tudo e fico ali, a olhar para ela, a admirar, e a bater palmas.

Mau...

Pois agora a onda é outra... Ontem à noite, o João tinha 38 graus de temperatura. Brufen, que deu para toda a noite e todo o dia. Foi à escola, esteve bem, comeu bem, dormiu melhor. À pouco, novamente com 38 graus. Brufen novamente... Vamos lá a ver o que por aí vem ou se é passageiro (assim espero).

Quanto à Maria, já começou hoje a esparvoar outra vez. Parece que enquanto fui dar uma aula, o pai teve que lhe dar uma (ou duas) palmadas no rabo para que ela entendesse que não se grita, não se responde mal, e não se bate nos mais novos que é como quem diz, no irmão... Passado esse episódio, acho que a coisa voltou à normalidade por nós esperada...

Agora dormem os dois que nem uns anjinhos e eu espero pelo meu amor, que teve que ir trabalhar, até não sei bem às quantas... Andamos por turnos hoje... ou está ele ou estou eu. Pode ser que ainda esteja acordada quando ele chegar! Mas já lhe sinto a falta. Tonta é o que sou.

Boa noite!

23 junho 2008

Mudanças...

Não sei que graça caíu por estas bandas, mas não quero que vá embora. Contrariamente ao que têm sido os últimos dias, este final de semana, decididamente soube a muito pouco. A razão? O comportamento dos meninos. Não que eu goste de crianças chatas, quietas, sem "vida", mas os meus filhos, portaram-se de forma exemplar, e acho que este foi caso raro em que não tive que andar sempre a chamar a atenção, a ralhar(aos gritos, que eu só consigo ralhar aos gritos, num descarregar de energia para não lhes acentar logo uma valente palmada...), e a pô-los de castigo. Aconteceu precisamente o contrário!

Foi um fim de semana em que brincámos, fomos à praia, divertimo-nos imenso os quatro, e tudo na maior harmonia... É claro que milagres não existem e momentos houve em que a tensão entre os irmãos ameaçava o fim do entendimento, mas bastava uma palavra nossa e eles logo entravam em acordo, cediam ambos das suas exigências e partilhavam o brinquedo pelo qual lutavam...

Não sei se se aperceberam do meu estado de nervos e da falta de paciência de que falei há uns dias atrás, ou se as conversas que tenho tido com Maria surtiram algum efeito, mas sei que gostei, adorei, amei! Por favor, não mudem!

20 junho 2008

Enfim...

O fim de semana está à porta...
Parece que vem lá chuva outra vez no Domingo. Antes disso, vamos rir, brincar, ao café de bicicleta, à praia, ao parque, aos avós (que pena não estares cá Mimi), aos amigos... Coisas boas que nos fazem esquecer o resto... Aquilo que não vale a pena!
Entretanto, hoje é mais um dia de silêncio...

19 junho 2008

Também eu...

...adoro andar descalça! Ralho, brigo, chamo a atenção, exijo que se calcem, mas eu sei como é bom andar descalços no verão!

18 junho 2008

Da paciência (ou da falta dela)...

Confesso que ultimamente ando sem pachorra, paciência para merda nenhuma (desculpem-me a expressão mas ando mesmo assim). Irrita-me a falta de sinceridade, a falta de tolerância, a falta de civismo, a falta de respeito,e todas as demais faltas de valores morais, decência e honestidade.

E depois os miudos! Ai porque não é o papá, mas é a mamã que dá a sopa, ai porque não é a mamã, é o papá que veste, ai porque agora não quero esta camisola, quero aquela, ai porque agora não quero umas calças, mas quero uma saia, ai porque não quero ir andar de bicicleta com o papá, mas agora choro porque afinal até tinha gostado de ir, ai porque não quero comer sopa, mas quero canja, ai porque não quero a carne, e só como o arroz, e de repente inevitavelmente sai-me ai porque daqui a pouco estás é a querer uma valente palmada nesse rabo!

E depois os azelhas que andam na estrada e pensam que temos que andar atrás deles a gramar os 30 Km horários que os senhores polícias querem obrigar a malta a andar nos perímetros urbanos. Devem pensar que a malta não tem catraios para ir levar ao infantário, à piscina, que não temos que ir ao supermercado, que não temos que ir ao talho, à lavandaria, que ir trabalhar, tudo, tudo assim com os minutos contadinhos...

E depois temos ainda aqueles que se metem à estrada precisamente no minuto exacto que estamos a chegar ao cruzamento, que em vez de se porem a andar depressa, ainda arrancam devagarinho e ficam a olhar pelo retrovisor, mesmo à espera que a malta lhe mande uma valente pancadona na traseira...

É por isto e por muito mais (que agora não me apetece mais referir) que me fez tão bem aquele bocadinho ontem... Obrigada
Rita!

16 junho 2008

Já agora...

...alguém conhece um remédio eficaz e indolor, para eliminar definitivamente moluscos contagiosos de piscina, sem ter que escarificar a pele da criança com uma agulha? É que o creme que o dermatologista recomendou não está a fazer muito efeito...
Muito, muito, muito obrigada!

Do fim de semana...

Por estes lados, o fim de semana foi bem quente, principalmente para a Maria, que passou os dias febril, a Ben-U-Ron e Brufen. Afinal o fim do dia de sexta feira não foi tão deliciosa como eu previra, e às 7 da tarde o termómetro confirmou as minhas suspeitas, após o relato do teu dia no infantário, pela educadora... Mas ainda assim, ainda amassámos as duas a base da pizza, que marchou todinha e ainda disses-te que estava "deliciosa". Vá lá que ao menos o apetite não diminuiu... Já o mesmo não aconteceu com o João que não comeu quase nada...
Por isso, o passeio a Viseu no sábado à tarde teve que ser adiado, não fosse o bebé apanhar uma virose também, ele que ainda é tão pequenino... Em alternativa e dada a boa disposição fomos até à praia ao fim da tarde. Como não pensei no belo dia que fez, nem que a época balnear já começou, lá fui eu de calcinha de ganga e a bela blusinha... Apropriado não? Nem imaginam o que me senti bem, assim completamente vestida ao lado das mangas cavadas, das alcinhas e dos biquinis mesmo assim ao lado. E pronto, uma vez que o papá tinha ido de calções, lá fiquei eu com o João na esplanada e eles os dois ainda foram brincar para o areal. Brincar e não só, pois sem eu me dar conta, ainda deu tempo para ir molhar os pézinhos ao mar... O ideal para quem está febril não?
E pronto eles cheios de areia e nós na esplanada que este meu filho, quanto menos areia melhor... Niquento como é, não suporta nem ver um grãozinho de areia em cima dele... Ainda no outro dia os levámos a um parque cujo chão era de areia. Como viu a irmã descalça, quis logo imitar, mas assim que pôs os pés no chão e sentiu a areia, pôs-se logo em pé coxinho, pois não conseguia levantar os dois pés ao mesmo tempo e já não brincou nada. Só ia ao baloiço ao colo do pai...Não sei não filho, mas cheira-me que vais ter que ter um tratamento de choque, pois no sábado ainda vá lá, que não ia com a indumentária apropriada, mas passar o verão inteiro contigo na esplanada.... Nananinaninana!
Depois a contrastar com o belo dia de sábado, eis que o S. Pedro nos brinda com um domingo "aguadinho"...Valeu-nos as visitas que foram almoçar connosco e nos fizeram companhia até bem perto das quatro...
A febre, a nossa outra visita, essa manteve-se até às 23 horas. O Brufen atacou e até hoje de manhã, nem pontinha dela, por isso... todos para o infantário!
As recomendações do costume à educadora: "Se houver outra vez febre, nada de xaropes e liguem-me para vir buscá-la que vai direitinha para o hospital...(4º dia de febre)"
Até agora nada... Continuo de alerta, mas para já estou a gostar...
Ó Febre!!! Adeusóvaitembora!!!

13 junho 2008

Para ti e para ti...

Hoje não. Hoje não vou trabalhar mais um bocadito.
Hoje posso ficar com vocês. Agora que acabei tudo o que tinha para fazer vou meter-me no carro, vou buscar-vos e vamos brincar.

Hoje o papá não vem jantar. Ficamos só nós na nossa casa!
Hoje vamos fazer pizza. Hoje não há sopa!

Vamos andar de bicicleta, vamos comer um gelado. Vamos ver desenhos animados.
E logo, antes de dormir, enquanto bebem o leite, já deitadinhos na cama, vou ler mais uma história, e depois cantar uma cantiga.

Hoje não há horas, amanhã é sabado. Hoje vocês são donos de mim!
Amo-vos!

12 junho 2008

Silêncio

Porque sim...

Porque não me apetece...

Porque não merece...

Porque não....

P.S. E agora com licença que vou ali descascar umas favas...

04 junho 2008

Minha musica, minha companhia

Esta musica dá-me genica! Por isso ela anda comigo no carro, para ouvir em alto e bom som (quando vou sozinha é claro!).

E mais bebés!

E a vida é assim mesmo, uns vão-se e outros chegam... No passado sábado, nasceu o Miguel! O pai está babadíssimo, os avós babadíssimos estão, ele é lindo, e a mãe... claro que está babadíssima também, mas hoje ao telefone não me pareceu lá muito bem... Coragem Sandra, que essa história dos pontos vai passar concerteza e daqui a uns diazitos, quando a rotina se instalar, tudo vai correr melhor. E nos entretantos já sabes, se precisares de alguma coisa... é só apitar!

Os meus vizinhos...

... estão a desaparecer. É verdade, não sei o que se passa mas no espaço de poucos meses, faleceram já três. Hoje de manhã, soube que o coração do Sr. Mário o tinha traído, e que nos tinha deixado. Conheci o Sr. Mário no Verão passado, pessoalmente, pois de ouvir falar já o conhecia há uns anos. Tinha emigrado para os Estados Unidos, clandestino, e por isso, passou cerca de 10 anos sem poder voltar a Portugal, para matar saudades do país e da família. O ano passado pôde finalmente regressar, pois já tinha conseguido a sua ambicionada legalização. Foram muitas as noites que nos encontrámos e convivemos. Era sem duvida uma pessoa alegre e muito bem disposta. Fartou-se de trabalhar na sua casa. Pintou, arranjou telhado, limpou jardim, arrancou arbustos que estavam a mais, substituiu portões, enfim... Tudo porque a partir de então, a casa iria voltar a ser usada todos os anos. Hoje fiquei chocada com a notícia que veio de longe, e a casa, que avisto da minha janela, e que me habituei a ver vazia, parece-me ainda mais vazia.

03 junho 2008

Aiaiai...

Ontem de regresso a casa, ela respondeu-me mal, nem me lembra já a respeito de quê. Sei que a repreendi pelo tom de voz, e pelo tipo de frase, e terminei o ralhete com um "Aiaiai!"
Ela, não satisfeita com o aiaiai e como tem que ter sempre a ultima palavra, devolve:
-"Aiaiai? Mas aiaiai de dor, ou o aiaiai de zangada?"

Fizémos a Arvore!!

Na sexta feira também foi feriado aqui em Marrocos! Aqui comemorou-se o aniversário do nascimento do Profeta Mohammed, e graças a isso pud...