01 setembro 2010

Mais uma noite e mais do mesmo

Com o resto da casa em silêncio e todos a dormir, cá ando eu sem sono, com a esperança vã de que o sol demore a aparecer, que o relógio pare e os minutos não passem. Os meus filhos crescem depressa demais, e o dia de amanhã faz com que este seja já parte do passado. Cada dia que se aproxima, de há uns tempos para cá, assemelha-se a uma montanha que tenho que transpor diariamente. Mais um assunto, mais um problema a tratar, a resolver, a ultrapassar e a sensação de que apenas uma batalha mais foi vencida cansa-me e faz-me sentir assim... Queria que o tempo parasse e pudesse descansar ou encontrar a forma milagrosa de ganhar a guerra de vez e recomeçar do zero!
E cá está, um mes de férias que passou, e continuo a achar que não foi o suficiente para recuperar as horas perdidas no ultimo ano, longe dos meus filhos, lá está... a travar apenas mais uma batalha, com a certeza de mais uma no dia seguinte, quando o que eu queria mesmo era estar ali, presente com eles, recebê-los quendo chegassem da escola, enfim... uma vida tão igual a tantas outras famílias.
Mas tenho tanto a agradecer... e sei que não me devia queixar, mas também sei que perfeita não sou e que sim, que queria mais qualidade de vida da que tenho actualmente. Um emprego mais perto de casa, obrigações fiscais bem mais baixas, a prestação da casa bem melhor e uma mão cheia de problemas eliminados. E nisto eu penso, penso, penso e o sono não vem!

2 comentários:

S. disse...

Eu entendo-te bem. Bem demais. Há dias que parece que o dia nunca mais acaba, e não é no bom sentido... Detesto os dias em que só vejo os miúdos a dormir. Era capaz de passar horas só a ouvi-los respirar. Mas amanhã é outro dia, e os dias todos passam e acabas por te sentir melhor. Bj miúda

Carla disse...

Como eu te compreendo!!!!
Era tão bom existir uma solução mágica.... se pelo menos o dinheiro não fosse tão importante...
Bjs. Carla

Matar saudades

Uma vez que os meninos estavam de férias na semana passada, deu-me assim uma nostalgia e lembrei-me que podíamos ir a Portugal, pois na se...