15 novembro 2012

O início do ano Muçulmano


O Calendário Islâmico, ou calendário da Hégira, é puramente lunar. O início do seu uso coincide com o início da Era Muçulmana, também conhecida como Era da Hégira. A palavraHegira vem do Árabe, el hedjra, e significa fuga. Refere-se à época em que Maomé, perseguido pelos Korishitas, fugiu da sua cidade natal, indo de Meca para Medina na noite do dia 15 para 16 de Julho de 622.
A obediência ao Calendário Islâmico, baseado no Corão (Sura IX, 36-37), é um dever sagrado dos muçulmanos. É o calendário oficial nos países ao redor do Golfo Pérsico, especialmente na Arábia Saudita, Kuwait e Iêmem. Outros países maometanos usam o Calendário Gregoriano para propósitos civis e o Calendário Islâmico para propósitos religiosos.

O ano muçulmano

O ano muçulmano tem 354 dias distribuídos em 12 meses baseados no movimento da Lua. O primeiro dia do primeiro ano é fixado no Corão como sendo o primeiro dia do mês de Muharram. As iniciais D.H. que precedem o número de um ano significam Depois da Hégira. Em D.H. 17, Umar I, o segundo califa, estabeleceu o início da Era da Hégira em 1 Muharram D.H. 1 como a data que coincide com o dia 16 de Julho de 622 do Calendário Juliano.
Como o ano maometano é mais curto do que o ano solar, os meses acabam se deslocando em relação às estações do ano. O ciclo deste deslocamento é de 32 anos e meio.

Os meses muçulmanos

Considera-se o começo de um novo mês quando um observador vê, pela primeira vez e a olho nu, o crescente lunar depois de uma Lua Nova. Apesar do cálculo da Lua Nova ser bastante preciso, a visibilidade do crescente é muito mais difícil de predizer. Depende de fatores como as condições do tempo, as propriedades óticas da atmosfera e a localização do observador. Portanto, as datas podem variar de acordo com a cidade e é muito difícil fazer a previsão de quando um novo mês terá início. Este fato gera problemas, no mínimo, curiosos. Um deles é a impossibilidade de se imprimir calendários antecipadamente.

* tirado daqui 

Sem comentários:

Dos incêndios outra vez... e da força de pessoas tão especiais...

No domingo passado não queria acreditar o que o ecrã da televisão mostrava... quatro meses depois da grande tragédia de Pedrógão Grande, P...